Notícias

Postado em 28 de January de 2022 @ 3:33 pm | 48 views

Grupo paulistano, que segue um conceito visual/estético baseado em deuses egípcios, apresenta o EP “Rise of the Gods” – Crédito: Belmilson Santos

Formada por Oblivium “Toth” (guitarra), Demmora “Anubis” (vocal), Atef “Sobek” (baixo) e Sekimesh “Hórus” (bateria), a banda paulistana Toth segue um conceito visual/estético baseado em deuses egípcios e o uso de máscaras faz referência aos deuses Toth, Sobek, Anubis e Horus. Cada integrante personifica uma respectiva entidade e a teatralidade é parte fundamental da Toth, que apresenta agora o EP de estreia, “Rise of the Gods”, e o videoclipe da faixa “Left in the Dark”. “Toth é o deus egípcio da sabedoria, que é a grande bússola para nos guiar nos labirintos da vida. Ser Toth é estar em contato direto com cada sentimento profundo e saber entendê-lo. É entrar em contato com nosso alterego oculto e trazê-lo para a superfície. Acima de tudo, ser Toth é saber que você não está sozinho e não precisa atravessar o inferno sem ajuda”, explica Murilo Otero (Oblivium). “Nossa mensagem é simples: Seja qual for sua dificuldade, você não está só. Estamos todos juntos por algo muito maior”, acrescenta o guitarrista.

Confira o clipe para “Left in the Dark”, dirigido por Maycon Avelino (Starship Videos), em https://youtu.be/XyVqnlDrgLU

“Left In The Dark”, uma das primeiras composições criadas pelo guitarrista Oblivium, conta com a participação especial do rapper brasileiro radicado na Austrália, Ntres. “A letra de ‘Left In The Dark’ trata do sentimento de perder uma pessoa amada através de um crime brutal, passando pelas fases do luto: tristeza, revolta, desesperança até chegar a aceitação. A música acompanha a letra em cada etapa e vai mudando constantemente a atmosfera. Essa canção é muito especial pra mim e acredito que seja a mais intensa do nosso primeiro EP”, relata Oblivium. “Musicalmente, a Toth busca unir o peso e virtuosismo do metal, o dinamismo da música eletrônica a novas tendências e estilos. Para nós, a música é uma deusa imortal que transcende gerações desde o início dos tempos. Ela se reinventa, se recicla e se adapta as tendências de cada época”, acrescenta.

Para o baterista Caio Gaona (Sekimesh “Hórus”), ser parte da Toth, que fez a sua estreia nos palcos em outubro de 2021, tem sido uma experiência única. “Lembro que a primeira vez que vesti a roupa foi algo emocionante, pois me senti como um super-herói. Este é o lançamento autoral mais importante que já fiz com uma banda”.

“Rise of the Gods”, produzido por Oblivium, Demmora e Marcelo Santanna, foi gravado nos estúdios Loud Factory e Orra Meu Studios e mixado por Adair Daufembach (Project46, Tony MacAlpine, Hibria, Hangar e outros). Confira o repertório do EP, disponibilizado em todas as plataformas de streaming através da Himawari Records:

1 – Intro
2 – Иeverland
3 – iFake
4 – Left In The Dark
5 – Fading

Ouça o EP nas plataformas de streaming: https://ingrv.es/rise-of-the-gods

Contatos:
Site: https://officialtoth.com/
Instagram: https://www.instagram.com/theofficialtoth/
Facebook: https://www.facebook.com/officialtoth


Postado em 04 de August de 2021 @ 2:17 am | 112 views

Segundo single do grupo, sucessor de “Neverland”, “Fading” saiu em 15/07, porém é uma composição desenvolvida há alguns anos e “guardada para a hora certa”, palavras do próprio Murilo Toth “Oblivium”. Entre os temas retratados está a depressão e o objetivo do guitarrista era se aproximar de quem passou por situações similares. O título alude justamente a como se sentem os acometidos pela doença: desaparecendo.

Sobre a canção e o reforço de Caio Gaona, desde o último mês no posto de baterista, Murilo analisa: “A banda está vivendo um momento de transição e renovação, buscando se atualizar para abraçar um momento pós-pandêmico e dar suporte às pessoas através da música, que é algo que nos conecta de maneira universal”.

Siga a Toth nas redes sociais:
YT: https://youtube.com/c/TothOfficial
IG: @theofficialtoth

E acompanhe:
Oblivium “Toth” – Murilo Lara: @mumumetal
Demmora “Anubis” – Artur Wilson: @tuuhwilson
Atef “Sobek” – André Malagrino: @malagrinoo
Sekimesh “Horus” – Caio Gaona: @caiogaonadrums


Postado em 22 de June de 2019 @ 3:26 am | 213 views

Baseado na união de conceito, imagem e música, o quarteto paulistano Toth faz sua estreia com o videoclipe do single “Neverland”. “É uma música extremamente importante, pois é o ‘cartão de visitas’ da Toth. É uma canção envolta por arranjos pesados e modernos. Como temos a preocupação de soarmos atuais, sem perder a essência do rock/metal, colocamos beats eletrônicos, riffs marcantes, solos, e ‘Neverland’ resume bem a nossa personalidade musical”, explica o vocalista Demmoha.

A letra de “Neverland” trata da transição da fase jovem para o início da fase adulta. “É a fase em que as responsabilidades começam a pesar e o tempo para se fazer aquilo que gostamos vai ficando menor. Nos tempos modernos, muitas pessoas passam por muita dificuldade nessa transição. Por isso, faço analogias com a história do Peter Pan, a fim de tratar o tema de uma forma lúdica. É um reflexo da minha alma e, basicamente, sou eu dizendo que já passei por aquilo e me identifico com as pessoas que estão vivendo esses momentos. São letras muito pessoais”, revela o guitarrista Dr. Oblivium.

O clipe, dirigido por Júlio César Dalecio, retrata o saudosismo de uma infância. “O vídeo, em que o ator é um aluno meu de bateria, Yan Zahran, procura fazer com que aquela inocência, de certa forma, nunca desapareça”, diz Dr. Oblivium, que, além da guitarra, também leciona bateria.

“Neverland”, que integrará o EP “Rise of the Gods”, marcado para ser lançado em agosto, foi gravada no Loud Factory (SP), com produção a cargo do vocalista Demmoha, do guitarrista Dr. Oblivium e dos produtores Wagner Meirinho e Tiago Assolini. Já os arranjos eletrônicos ficaram por conta de Marcelo Santanna, da Aquahertz.

Criado no início de 2018, o Toth segue um conceito visual/estético baseado em deuses egípcios. “Cada integrante personifica uma respectiva entidade. A teatralidade é parte fundamental da banda, e o uso de máscaras faz referência a quatro deuses: Toth, Sobek, Anubis e Horus”, relata o baixista Atef. “Toth é o deus egípcio da sabedoria, que é a grande bússola para nos guiar nos labirintos da vida. Ser Toth é estar em contato direto com cada sentimento profundo e saber entendê-lo. É entrar em contato com nosso alterego oculto e trazê-lo para a superfície. Acima de tudo, ser Toth é saber que você não está sozinho e não precisa atravessar o inferno sem ajuda”, conclui Dr. Oblivium.



TOP